TEMA: Estatuto da Pessoa com Deficiência

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

TEMA: Estatuto da Pessoa com Deficiência

Mensagem por akira em Ter Abr 25, 2017 8:52 pm

Na sociedade brasileira, é indiscutível a necessidade do poder parlamentar em determinadas ocasiões devido ao grande desrespeito de uma parcela da população. No exercício da legislação, é notório o desconhecimento do Estatuto da Pessoa com Deficiência por uma pequena porcentagem dos indivíduos e o constrangimento dos deficientes meio a estes acontecimentos. Sendo assim, o descumprimento dessas normas, ocasiona uma problemática que, segundo o filósofo Clóvis de Barros Filho, é moral e ético.

Podemos afirmar que, no Brasil, grande parte dos indivíduos não tem conhecimento da existência desses mecanismos, sendo assim, burlam regras pré-estabelecidas com o pensamento de que não há punição para este tipo de infração excluindo a moralidade e o bom senso. Em estacionamentos, existem vagas reservadas para deficientes, assim como em transportes públicos, comumente carros são rebocados porque o motorista usou a vaga reservada, porém em coletivos vê-se o egoísmo em não ceder o lugar aos incapacitados, afirmando a necessidade de reeducação da sociedade, a urgência do incentivo ao altruísmo e uma maior fiscalização desses atos pelo Estado.

Além disso, vale ressaltar que constantemente essas minorias são submetidas a danos morais, e o que deveria ser uma ferramenta para a pacificação, traz consigo estresses que em tese não deveriam existir. Inúmeros casos de não cumprimento das leis vigentes passam despercebidos, assim como ocorre com os deficientes físicos que, embora não devessem sofrer esse tipo de agressão moral, não recorrem à justiça pela ciência da burocracia em resolver casos como este, vistos como um fator irrelevante para a justiça e para a população, acarretando num processo denominado de exclusão social.

O conceito de ética, portanto, deve ser uma virtude em qualquer sociedade pós-moderna. A construção de uma sociedade consciente é fruto de uma educação que, atualmente, não se aprende em instituições de ensino. Cabe ao Ministério da Educação (MEC), providenciar o estudo da moral e ética nas escolas, o governo deve incentivar constantemente a população ao respeito dessas normas por meio de propagandas que sensibilizem e provoquem uma reflexão do indivíduo, assim como a aplicação do conceito de inclusão social provenientes por espontaneidade de instituições privadas e principalmente públicas. A pátria educadora deve por em prática o que se vê em teoria, estimulando o respeito, é um processo demorado mas vale a pena ser traçado.

akira
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 1
Pontos : 3
Data de inscrição : 30/03/2017

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: TEMA: Estatuto da Pessoa com Deficiência

Mensagem por Francis Bacon em Seg Maio 15, 2017 2:51 am

Na sociedade brasileira, é indiscutível a necessidade do poder parlamentar em determinadas ocasiões devido ao grande desrespeito de uma parcela da população. No exercício da legislação, é notório o desconhecimento do Estatuto da Pessoa com Deficiência por uma pequena porcentagem dos indivíduos e o constrangimento dos deficientes meio a estes acontecimentos. Sendo assim, o descumprimento dessas normas, ocasiona uma problemática que, segundo o filósofo Clóvis de Barros Filho, é moral e ética.

Podemos afirmar que, no Brasil, grande parte dos indivíduos não tem conhecimento da existência desses mecanismos, sendo assim, burlam regras preestabelecidas com o pensamento de que não há punição para este tipo de infração excluindo a moralidade e o bom senso[?]. Em estacionamentos, existem vagas reservadas para deficientes, assim como em transportes públicos[.][C] comumente carros são rebocados porque o motorista usou a vaga reservada, porém[,] em coletivos[,] veem-se o egoísmo em não ceder o lugar aos incapacitados, afirmando a necessidade de reeducação da sociedade, a urgência do incentivo ao altruísmo e uma maior fiscalização desses atos pelo estado.

Além disso, vale ressaltar que constantemente essas minorias são submetidas a danos morais, e o que deveria ser uma ferramenta para a pacificação, traz consigo estresses que em tese não deveriam existir. Inúmeros casos de não cumprimento das leis vigentes passam despercebidos[A = fonte?], assim como ocorre com os deficientes físicos que, embora não devessem sofrer esse tipo de agressão moral, não recorrem à justiça pela ciência da burocracia em resolver casos como este, vistos como um fator irrelevante para a justiça e para a população[??], acarretando num processo denominado de exclusão social.

O conceito de ética, portanto, deve ser uma virtude em qualquer sociedade pós-moderna[F = onde está o seu conceito de ética no desenvolvimento do texto?]. A construção de uma sociedade consciente é fruto de uma educação que, atualmente, não se aprende em instituições de ensino[F = você não falou sobre isso no texto]. Cabe ao Ministério da Educação (MEC), providenciar o estudo da moral e ética nas escolas[R = já existe, se chama filosofia], o governo deve incentivar constantemente a população ao respeito dessas normas por meio de propagandas que sensibilizem e provoquem uma reflexão no indivíduo, assim como a aplicação do conceito de inclusão social provenientes por espontaneidade de instituições privadas e principalmente públicas[?]. A pátria educadora deve pôr em prática o que se vê em teoria, estimulando o respeito[.] [C] é um processo demorado mas vale a pena ser traçado.

Nota:
I
140
Você atingiu 70% da pontuação prevista para a Competência 1, atendendo parcialmente aos critérios definidos a seguir.
O participante demonstra bom domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro, com poucos desvios gramaticais e de convenções da escrita, ou seja, apresenta um texto com boa estrutura sintática, com poucos desvios de pontuação, de grafia e de emprego do registro exigido.
II
180
Você atingiu 90% da pontuação prevista para a Competência 2, atendendo parcialmente aos critérios definidos a seguir.
O participante desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta excelente domínio do texto dissertativo-argumentativo, ou seja, em seu texto, o tema é desenvolvido de modo consistente e autoral, por meio do acesso a outras áreas do conhecimento, com progressão fluente e articulada ao projeto do texto.
III
160
Você atingiu 80% da pontuação prevista para a Competência 3, atendendo aos critérios definidos a seguir.
Em defesa de um ponto de vista, o texto apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema, de forma organizada, com indícios de autoria, ou seja, os argumentos, embora ainda possam ser previsíveis, estão organizados e relacionados de forma consistente ao ponto de vista defendido e ao tema proposto, e há indícios de autoria.
IV
160
Você atingiu 80% da pontuação prevista para a Competência 4, atendendo aos critérios definidos a seguir.
O participante articula as partes do texto com poucas inadequações e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos.
V
140
Você atingiu 70% da pontuação prevista para a Competência 5, atendendo parcialmente aos critérios definidos a seguir.
O participante elabora bem proposta de intervenção relacionada ao tema, decorrente da discussão desenvolvida no texto, articulada e abrangente, ainda que sem suficiente detalhamento.
Aviso:
*Lembre-se de que a quebra de linha presente entre os parágrafos deste fórum é somente para facilitar a leitura do texto. No ENEM, a paragrafação deverá ser feita sem quebra de linha, apenas com o espaçamento entre a margem e o início de cada parágrafo.*
Legenda de Erros:
[!]
Evite
[A]
Argumentação
[D]
Descritivo
[F]
Fuga de Tema ou Tese
[N]
Norma Culta
[P]
Prolixo
[?]
Confuso
[C]
Conectivo
[E]
Explique/Explicite
[G]
Gênero Textual
[R]
Repetido


[!] = expressão não indicada por conter possível: clichê; cacofonia; preciosismo; pleonasmo; redundância; queísmo; período longo; preconceito; esteriótipo.
[?] = o trecho contém problemas na interpretação (releia) (COERÊNCIA): ambiguidade; difícil entendimento; ausência de sentido lógico.
[A] = o trecho contém falhas técnicas na argumentação: explicação carece de comprovação (informação fatídica); argumentação descritiva ou sem ideia conclusiva (o que você está defendendo?!); sequência argumentação/explicação não possui lógica ou possui lógica falaciosa (Ex.: de acordo com a Biologia, toda laranja é amarela > laranja é uma fruta > limão também é uma fruta > logo, todo limão também é amarelo???);
[C] = o trecho contém problemas nos elementos de sequenciação (COESÃO): ausência de conectivo ligando períodos; uso incorreto do elemento coesivo (conjunção) em relação à sequência justaposta de períodos e o seu significado.
[D] = o trecho tende para a descrição sobre a proposta, apresentando caráter mais descritivo que argumentativo (Ex.: tema: violência contra a mulher: o candidato descreve o transcorrer do feminicídio ao longo da história enumerando informações detalhadas, mas não desenvolve o problema de fato).
*lembre-se de que uma informação fatídica, quando sozinha, não sustenta totalmente o argumento, é preciso explicitar como ela se desenvolve em problema a partir do seu ponto de vista*.
[E] = sentença com sentido desconhecido ou incompleto: informação incompleta (de que? quem? do que? o que? pra que/quem? qual/quais? pelo que? por quem? como???); informação muito específica; sigla sem o nome por extenso previamente identificado.
*o corretor não vai parar sua correção para procurar o significado do que você quis dizer*
[F] = o trecho contém falha na abordagem do tema sugerido: desenvolve de maneira superficial o tema sugerido ou aprofunda tópicos relacionados ao assunto do tema, mas não na proposta propriamente dita (foque na proposta do tema, e não no assunto); desenvolve uma ideia ao longo do texto que não explicitada na tese da introdução; soluciona um problema na proposta de intervenção que não foi trabalhado ao longo do desenvolvimento no texto.
[G] = o trecho apresenta falha no gênero dissertativo-argumentativo: tese rasa ou não explícita; prolongamento da tese no desenvolvimento; paragrafação em sequência diferente do padrão (intro. > desenv. > concl.); verbo em 1ª ou 2ª pessoa; proposta de intervenção conjugada em tempo verbal diferente do imperativo afirmativo.
[N] = o trecho contém palavra ou expressão com traço de informalidade: erro ortográfico; gíria; linguagem popular.
[P] = o trecho contém informação desnecessária: prolongamento irrelevante de seu conteúdo; argumentos abundantes; informações altamente detalhadas; informações postas em demasia.
[R] = o trecho contém termos repetidos ao longo do texto: palavras (COESÃO); ideias (COERÊNCIA). Proposta de intervenção já existente na realidade atual.

_________________
avatar
Francis Bacon
Corretor
Corretor

Mensagens : 872
Pontos : 1010
Data de inscrição : 13/02/2016

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum