TEMA: O Brasileiro está de fato seguro portando uma arma?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

TEMA: O Brasileiro está de fato seguro portando uma arma?

Mensagem por Marco Antonio em Seg Abr 24, 2017 12:14 pm

A falsa segurança
     No que se refere ao uso de armas de fogo pelo cidadão civil, é possível afirmar que sendo ela uma meio de defesa por parte de muitos, é necessária a conscientização  para que seja usada de maneira responsável por aqueles que a possuem. Se por um lado, é bom tela como meio de autodefesa devido ao avanço da criminalidade a qual vem crescendo no Brasil; por outro, sua utilização  trazem sérios problema
    Segundo Aristóteles, o homem é um ser social. Hoje, com o aumento da violência muitos cidadãos têm sentido a necessidade de outros meios para se sentirem protegidos dentro dos seus lares, e não apenas dentro deles. Desse modo, grande parte da sociedade já não conta tão somente com a proteção dada pelo estado através das policias, e têm sentido a necessidade de se armar, tomar aula de tiro e se preparar com o  que considera o seu dever: proteger sua família,  diante de tantos assaltos à mão armada nas ruas e invasões de domicílios. A posse de arma costuma fazer o cidadão se sentir mais seguro, diante da expectativa do assaltante de sentir ameaçado.
    Entretanto, há de se analisar alguns aspectos essenciais diante das investidas por parte dos meliantes. O mais importante deles é o "fator surpresa". É preciso considerar que a iniciativa é do assaltante, que obviamente escolhera o momento propício e a melhor condição de agir. A biologia tem comprovado que, ao contrário do que defendia Darwin, nem sempre é o mais forte quem sobrevive. Neste caso, o fato de estar bem mais preparado não significa êxito na sua tentativa de se defender, pois em muitos casos cidadãos acabam perdendo as suas vidas.
    Desse modo,  o governo deve investir em medidas de segurança pública, devido ao aumento da criminalidade e aumento da sensação de insegurança principalmente nos centro urbanos, com o aumento dos efetivos da forças de segurança estaduais e uma melhor preparação por parte dessas autoridades para dessa maneira combater o crime e defender a sociedade, e os habitantes não terem que fazer o papel de defesa o qual cabe ao estado.

Marco Antonio
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 11
Pontos : 33
Data de inscrição : 03/03/2017
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: TEMA: O Brasileiro está de fato seguro portando uma arma?

Mensagem por Francis Bacon em Seg Maio 08, 2017 11:33 am

Armas e suas tragédias


Referente ao cidadão comum ter porte de arma como forma para se defender dos assaltos, assassinatos, sequestros nem sempre o resultado é positivo, tendo em vista que[,] muitas vezes[,] acontecem tragédias[] devido ao fácil acesso[] em que muitas vezes[R] adolescentes as levam para os colégios e cometem chacinas de repercussões de nível mundial, mas também[] há aqueles adultos os quais não tem o equilíbrio emocional suficiente para telas e diante de pequenas discussões na rua voltam para seus lares e as pegam, retornando ao lugar do conflito[P] e tirando a vida de pessoas por questões que poderiam ser resolvidas de outra forma.[! = Quase não consegui respirar com esse parágrafo!!]

Relativo à possibilidade daqueles de menor idade terem facilidades de levarem revólveres para os colégios[,] é necessário uma maior responsabilidade dos proprietários de armamentos como um armazenamento adequado[] e não as deixarem municiadas, além de uma mudança nas leis tendo que responderem por crimes cometidos de maneiras mas severas menores de 18 anos, os quais o máximo que acontecem com eles e serem mandados para a internação para um período máximo de três anos[] e logo após voltam ao convívio da sociedade[! = meu deus quase não dá pra entender de tanta informação em um mesmo período][.] Dessa maneira[,] domina o império da impunidade deixando marcas irreparáveis em muitas famílias que perdem seus entes queridos. [C] Tem se a premissa equivocada de que essas ferramentas com particulares significam segurança[,] no entanto, não o que se tem visto, tendo como exemplo recente, quando um aluno dos EUA da escola Taft Union Hight, na Califórnia, baleou gravemente um colega.

Somado a isso, podemos perceber a necessidade de autocontrole daqueles imputáveis que usam meios para se defender, porque há de se fazer a diferença entre autodefesa e assassinato. [C] Temos as leis brasileiras e não podemos resolver os nossos problemas pessoais sem usarmos os meios legais, porque[,] se assim fosse, estariam as populações diante de um faroeste contemporâneo[E], mas essa situação de mortes por causa de problemas banais têm aumentado gradativamente com o passar dos anos, sendo que muitos se arrependem indo parar na cadeia[A = fonte?], destruindo suas vidas e seus lares, em que os filhos sofrem por atos inconsequentes dos seus responsáveis, ainda mais quando são de pouca idade e precisam de uma presença paterna aos seus lados.

Desse modo, o governo deve investir no desarmamento da população e ainda exigir a capacitação daqueles que têm o porte de armamentos[R = já é assim], de modo a diminuir o índice de criminalidade, porque ser cidadão de bem não é quesito suficiente para defender se a si mesmo de maneira despreparada. A polícia é que tem defender a sociedade, por isso são necessários mais policiais nas ruas e não a população usar a autodefesa.

Nota:
I
120
Você atingiu 60% da pontuação prevista para a Competência 1, atendendo aos critérios definidos a seguir.
O participante demonstra domínio mediano da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro, com alguns desvios gramaticais e de convenções da escrita, ou seja, apresenta um texto com estrutura sintática mediana para o grau de escolaridade exigido, porém com alguns desvios morfossintáticos, de pontuação, de grafia ou de emprego do registro adequado ao tipo textual.
II
100
Você atingiu 50% da pontuação prevista para a Competência 2, atendendo parcialmente aos critérios definidos a seguir.
O participante desenvolve o tema por meio de argumentação previsível e apresenta domínio mediano do texto dissertativo-argumentativo, com proposição, argumentação e conclusão. Com essa pontuação, ou o tema da redação é desenvolvido adequadamente, porém de forma previsível, com pouco avanço em relação ao senso comum ou, embora o texto demonstre domínio adequado do tipo textual exigido, a progressão textual apresenta algum problema.
III
120
Você atingiu 60% da pontuação prevista para a Competência 3, atendendo aos critérios definidos a seguir.
Em defesa de um ponto de vista, o texto apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema, mas limitados aos argumentos dos textos motivadores e pouco organizados, ou seja, os argumentos estão pouco articulados, além de relacionados de forma pouco consistente ao ponto de vista defendido.
IV
80
Você atingiu 40% da pontuação prevista para a Competência 4, atendendo aos critérios definidos a seguir.
O participante apresenta repertório limitado de recursos coesivos e articula as partes do texto de forma insuficiente, com muitas inadequações, o que compromete a organização das ideias.
V
80
Você atingiu 40% da pontuação prevista para a Competência 5, atendendo aos critérios definidos a seguir.
O participante elabora, de forma insuficiente, proposta de intervenção relacionada ao tema, sem clareza, ou não articulada com a discussão desenvolvida no texto.
Aviso:
*Lembre-se de que a quebra de linha presente entre os parágrafos deste fórum é somente para facilitar a leitura do texto. No ENEM, a paragrafação deverá ser feita sem quebra de linha, apenas com o espaçamento entre a margem e o início de cada parágrafo.*
Legenda de Erros:
[!]
Evite
[A]
Argumentação
[D]
Descritivo
[F]
Fuga de Tema ou Tese
[N]
Norma Culta
[P]
Prolixo
[?]
Confuso
[C]
Conectivo
[E]
Explique/Explicite
[G]
Gênero Textual
[R]
Repetido


[!] = expressão não indicada por conter possível: clichê; cacofonia; preciosismo; pleonasmo; redundância; queísmo; período longo; preconceito; esteriótipo.
[?] = o trecho contém problemas na interpretação (releia) (COERÊNCIA): ambiguidade; difícil entendimento; ausência de sentido lógico.
[A] = o trecho contém falhas técnicas na argumentação: explicação carece de comprovação (informação fatídica); argumentação descritiva ou sem ideia conclusiva (o que você está defendendo?!); sequência argumentação/explicação não possui lógica ou possui lógica falaciosa (Ex.: de acordo com a Biologia, toda laranja é amarela > laranja é uma fruta > limão também é uma fruta > logo, todo limão também é amarelo???);
[C] = o trecho contém problemas nos elementos de sequenciação (COESÃO): ausência de conectivo ligando períodos; uso incorreto do elemento coesivo (conjunção) em relação à sequência justaposta de períodos e o seu significado.
[D] = o trecho tende para a descrição sobre a proposta, apresentando caráter mais descritivo que argumentativo (Ex.: tema: violência contra a mulher: o candidato descreve o transcorrer do feminicídio ao longo da história enumerando informações detalhadas, mas não desenvolve o problema de fato).
*lembre-se de que uma informação fatídica, quando sozinha, não sustenta totalmente o argumento, é preciso explicitar como ela se desenvolve em problema a partir do seu ponto de vista*.
[E] = sentença com sentido desconhecido ou incompleto: informação incompleta (de que? quem? do que? o que? pra que/quem? qual/quais? pelo que? por quem? como???); informação muito específica; sigla sem o nome por extenso previamente identificado.
*o corretor não vai parar sua correção para procurar o significado do que você quis dizer*
[F] = o trecho contém falha na abordagem do tema sugerido: desenvolve de maneira superficial o tema sugerido ou aprofunda tópicos relacionados ao assunto do tema, mas não na proposta propriamente dita (foque na proposta do tema, e não no assunto); desenvolve uma ideia ao longo do texto que não explicitada na tese da introdução; soluciona um problema na proposta de intervenção que não foi trabalhado ao longo do desenvolvimento no texto.
[G] = o trecho apresenta falha no gênero dissertativo-argumentativo: tese rasa ou não explícita; prolongamento da tese no desenvolvimento; paragrafação em sequência diferente do padrão (intro. > desenv. > concl.); verbo em 1ª ou 2ª pessoa; proposta de intervenção conjugada em tempo verbal diferente do imperativo afirmativo.
[N] = o trecho contém palavra ou expressão com traço de informalidade: erro ortográfico; gíria; linguagem popular.
[P] = o trecho contém informação desnecessária: prolongamento irrelevante de seu conteúdo; argumentos abundantes; informações altamente detalhadas; informações postas em demasia.
[R] = o trecho contém termos repetidos ao longo do texto: palavras (COESÃO); ideias (COERÊNCIA). Proposta de intervenção já existente na realidade atual.

_________________
avatar
Francis Bacon
Corretor
Corretor

Mensagens : 701
Pontos : 837
Data de inscrição : 13/02/2016

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum