TEMA: A prática de bullying nas escolas do Brasil

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

TEMA: A prática de bullying nas escolas do Brasil

Mensagem por Main Exatas XD em Seg Abr 10, 2017 1:02 am

É consenso, atualmente, no Brasil, a precaridade da educação. Entretanto, os gargalos não referem-se apenas à qualidade educacional, mas também ao próprio âmbito escolar, surgindo assim, a problemática que diz respeito ao bullying. Essa situação é preocupante, já que acarreta em exclusão de uma minoria ainda no convívio infantil, sendo necessários, portanto, preparo das instituições escolares para lidar com a situação e acompanhamento familiar.

A harmonia do convívio escolar encontra-se ameaçada a partir do momento em que casos de intimidação sistemática ocorrem. Isso pode ser fundamentado pelas ideias de Émile Durkheim, que diz que a desagregação social pode levar a um sentimento de "anomia", já que o indivíduo não sente integrado a um laço social. De forma análoga a esse pensamento, crianças que sofrem bullying, como são discriminadas (por causa da aparência, na maioria das vezes), sentem-se excluídas e são mais propensas a desenvolverem distúrbios psíquicos posteriormente. Mesmo assim, muitas escolas ignoram o problema, o que fez com que este se alastrasse ainda mais em diversas instituições do país.

Ademais, a fragilidade das relações familiares dificultam a superação desse contratempo. Dentro de um contexto capitalista contemporâneo, em que os pais não tem tempo para acompanhar a vida escolar do filho, a questão do bullying, muitas vezes, passa despercebido nas famílias. Isso faz com que as vítimas, em diversas ocasiões, percam a esperança, visto que não encontram amparo na escola e muito menos no âmbito familiar, o que pode causar consequências mais graves, como o suicídio ou atos de revolta, como ocorreu no massacre de Realengo, no Rio de Janeiro, em que um homem, que fora, no passado, vítima de bullying, invadiu uma escola e assassinou diversas crianças inocentes. Dessa forma, observa-se a importância de dar atenção ao problema.

Tendo em vista o que foi apresentado, torna-se claro que a intimidação sistemática precisa ser, ao máximo, atenuada. Assim sendo, a escola não pode ignorar esta adversidade, pelo contrário: deve punir os agressores, dar assistências às vítimas e, junto com o acompanhamento dos pais, promover a conscientização das crianças acerca do problema por meio de palestras e do diálogo. Além do mais, a família dos envolvidos deve auxiliar nesse processo por meio da educação ética correta ou apoio moral, para que os casos não sejam reincidentes. Dessa maneira, a sociedade caminha para um ambiente escolar mais igualitário propício para o aprendizado.

Main Exatas XD
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 1
Pontos : 3
Data de inscrição : 02/04/2017

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: TEMA: A prática de bullying nas escolas do Brasil

Mensagem por Francis Bacon em Seg Abr 17, 2017 7:16 am

É consenso, atualmente, no Brasil, a precaridade da educação. Entretanto, os gargalos não referem-se apenas à qualidade educacional, mas também ao próprio âmbito escolar, surgindo assim, a problemática que diz respeito ao bullying. Essa situação é preocupante, já que acarreta em exclusão de uma minoria ainda no convívio infantil, sendo necessários, portanto, preparo das instituições escolares para lidar com a situação e acompanhamento familiar.

A harmonia do convívio escolar encontra-se ameaçada a partir do momento em que casos de intimidação sistemática ocorrem. Isso pode ser fundamentado pelas ideias de Émile Durkheim, que diz que a desagregação social pode levar a um sentimento de anomia[E], já que o indivíduo não sente integrado a um laço social. De forma análoga a esse pensamento, crianças que sofrem bullying, como são discriminadas[?] (por causa da aparência, na maioria das vezes), sentem-se excluídas e são mais propensas a desenvolverem distúrbios psíquicos posteriormente. Mesmo assim, muitas escolas ignoram o problema, o que fez com que este se alastrasse ainda mais em diversas instituições do país.[A]

Ademais, a fragilidade das relações familiares dificultam a superação desse contratempo. Dentro de um contexto capitalista contemporâneo, em que os pais não tem tempo para acompanhar a vida escolar do filho, a questão do bullying, muitas vezes, passa despercebido nas famílias. Isso faz com que as vítimas, em diversas ocasiões, percam a esperança[] visto que não encontram amparo na escola e muito menos no âmbito familiar, o que pode causar consequências mais graves, como o suicídio ou atos de revolta, como ocorreu no massacre de Realengo, no Rio de Janeiro, em que um homem, que fora, no passado, vítima de bullying, invadiu uma escola e assassinou diversas crianças inocentes. Dessa forma, observa-se a importância de dar atenção ao problema[E].

Tendo em vista o que foi apresentado[!], torna-se claro que a intimidação sistemática precisa ser, ao máximo, atenuada. Assim sendo, a escola não pode ignorar esta adversidade, pelo contrário: deve punir os agressores, dar assistências às vítimas e, junto com o acompanhamento dos pais, promover a conscientização das crianças acerca do problema por meio de palestras e do diálogo. Além do mais, a família dos envolvidos deve auxiliar nesse processo por meio da educação ética correta ou apoio moral, para que os casos não sejam reincidentes. Dessa maneira, a sociedade caminha para um ambiente escolar mais igualitário propício para o aprendizado.

Nota:
I
200
Você atingiu 100% da pontuação prevista para a Competência 1, atendendo aos critérios definidos a seguir.
O participante demonstra excelente domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro. Desvios gramaticais ou de convenções da escrita, neste nível, são aceitos somente como excepcionalidade e quando não caracterizam reincidência.
II
200
Você atingiu 100% da pontuação prevista para a Competência 2, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante desenvolve o tema por meio de argumentação consistente, a partir de um repertório sociocultural produtivo e apresenta excelente domínio do texto dissertativo-argumentativo, ou seja, em seu texto, o tema é desenvolvido de modo consistente e autoral, por meio do acesso a outras áreas do conhecimento, com progressão fluente e articulada ao projeto do texto.
III
180
Você atingiu 90% da pontuação prevista para a Competência 3, atendendo parcialmente aos critérios definidos a seguir.
Em defesa de um ponto de vista, o texto apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema proposto, de forma consistente e organizada, configurando autoria, ou seja, os argumentos selecionados estão organizados e relacionados de forma consistente com o ponto de vista defendido e com o tema proposto, configurando-se independência de pensamento e autoria.
IV
200
Você atingiu 100% da pontuação prevista para a Competência 4, atendendo aos critérios definidos a seguir.
O participante articula bem as ideias, os argumentos, as partes do texto e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos, sem inadequações.
V
160
Você atingiu 80% da pontuação prevista para a Competência 5, atendendo aos critérios definidos a seguir.
O participante elabora bem proposta de intervenção relacionada ao tema, decorrente da discussão desenvolvida no texto, articulada e abrangente, ainda que sem suficiente detalhamento.
Aviso:
*Lembre-se de que a quebra de linha presente entre os parágrafos deste fórum é somente para facilitar a leitura do texto. No ENEM, a paragrafação deverá ser feita sem quebra de linha, apenas com o espaçamento entre a margem e o início de cada parágrafo.*
Legenda de Erros:
[!]
Evite
[A]
Argumentação
[D]
Descritivo
[F]
Fuga de Tema ou Tese
[N]
Norma Culta
[P]
Prolixo
[?]
Confuso
[C]
Conectivo
[E]
Explique/Explicite
[G]
Gênero Textual
[R]
Repetido


[!] = expressão não indicada por conter possível: clichê; cacofonia; preciosismo; pleonasmo; redundância; queísmo; período longo; preconceito; esteriótipo.
[?] = o trecho contém problemas na interpretação (releia) (COERÊNCIA): ambiguidade; difícil entendimento; ausência de sentido lógico.
[A] = o trecho contém falhas técnicas na argumentação: explicação carece de comprovação (informação fatídica); argumentação descritiva ou sem ideia conclusiva (o que você está defendendo?!); sequência argumentação/explicação não possui lógica ou possui lógica falaciosa (Ex.: de acordo com a Biologia, toda laranja é amarela > laranja é uma fruta > limão também é uma fruta > logo, todo limão também é amarelo???);
[C] = o trecho contém problemas nos elementos de sequenciação (COESÃO): ausência de conectivo ligando períodos; uso incorreto do elemento coesivo (conjunção) em relação à sequência justaposta de períodos e o seu significado.
[D] = o trecho tende para a descrição sobre a proposta, apresentando caráter mais descritivo que argumentativo (Ex.: tema: violência contra a mulher: o candidato descreve o transcorrer do feminicídio ao longo da história enumerando informações detalhadas, mas não desenvolve o problema de fato).
*lembre-se de que uma informação fatídica, quando sozinha, não sustenta totalmente o argumento, é preciso explicitar como ela se desenvolve em problema a partir do seu ponto de vista*.
[E] = sentença com sentido desconhecido ou incompleto: informação incompleta (de que? quem? do que? o que? pra que/quem? qual/quais? pelo que? como???); informação muito específica; sigla sem o nome por extenso previamente identificado.
*o corretor não vai parar sua correção para procurar o significado do que você quis dizer*
[F] = o trecho contém falha na abordagem do tema sugerido: desenvolve de maneira superficial o tema sugerido ou aprofunda tópicos relacionados ao assunto do tema, mas não na proposta dele propriamente dita (foque no tema da proposta, e não no assunto); desenvolve uma ideia ao longo do texto que não explicitada na tese da introdução; soluciona um problema na proposta de intervenção que não foi trabalhado ao longo do desenvolvimento no texto.
[G] = o trecho apresenta falha no gênero dissertativo-argumentativo: tese rasa ou não explícita; prolongamento da tese no desenvolvimento; paragrafação em sequência diferente do padrão (intro. > desenv. > concl.); verbo em 1ª ou 2ª pessoa; proposta de intervenção conjugada em tempo verbal diferente do imperativo afirmativo.
[N] = o trecho contém palavra ou expressão com traço de informalidade: erro ortográfico; gíria; linguagem popular.
[P] = o trecho contém informação desnecessária: prolongamento irrelevante de seu conteúdo; argumentos abundantes; informações altamente detalhadas; informações postas em demasia.
[R] = o trecho contém termos repetidos ao longo do texto: palavras (COESÃO); ideias (COERÊNCIA). Proposta de intervenção já existente na realidade atual.

_________________
avatar
Francis Bacon
Corretor
Corretor

Mensagens : 872
Pontos : 1010
Data de inscrição : 13/02/2016

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum