TEMA: Os obstáculos na doação de sangue no Brasil

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

TEMA: Os obstáculos na doação de sangue no Brasil

Mensagem por David em Ter Mar 28, 2017 4:41 am

    Um país considerado solidário e bem receptivo com os imigrantes, está tendo problemas em ajudar os seus próprios companheiros nativos, na questão da doação de sangue. São poucos que fazem esse ato de solidariedade, muitos não têm conhecimento ou só se interessam quando algum conhecido sofre algum acidente, ou pelo fato do preconceito contra os homossexuais ainda existir.
   Apenas 1,8% da população brasileira doa sangue, sendo necessário, de acordo com a ONU, entre 3% a 5%. Isso remete à falta de informação que a população tem, mesmo numa era tão globalizada, uma parte dela não tem estruturas para os meios de comunicação, impossibilitando a chegada de uma informação coerente e coesa. Por mais que a mídia invista em campanhas nas redes sociais e, só a menor parte do público alvo for atingido, de nada adianta a divulgação desse projeto.
   O preconceito a homossexualidade gerou quedas na doação de sangue, porque quando houve a descoberta do HIV, criaram-se teorias que os homossexuais transmitiam o vírus, sendo chamada de "câncer gay". Mesmo após ser afirmado que a Aids não estava relacionado a homossexualidade, a ANVISA, explicita seu preconceito e apenas gays que não mantiveram relacionais sexuais durante um ano poderia fazer a doação sanguínea, tratando essa comunidade de forma "anormal", uma vez confirmado que o gênero sexual não está relacionado ao portador da doença.
  Fica evidente que, a mídia precise explorar novas formas de divulgação, para chegar à toda população, o governo investir em melhorias nas comunidades mais carentes, incentivar nas escolas o debate sobre o assunto e o Ministério da Saúde, juntamente com a ANVISA, reverem essa militância com os homossexuais, pois só assim poderemos sentir orgulho do nosso legado.

David
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 5
Pontos : 15
Data de inscrição : 14/02/2017

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: TEMA: Os obstáculos na doação de sangue no Brasil

Mensagem por Francis Bacon em Qui Abr 06, 2017 6:06 am

Um país considerado solidário e bem receptivo para com os imigrantes, está tendo problemas em ajudar os seus próprios companheiros nativos[] na questão da doação de sangue. São poucos que fazem esse ato de solidariedade, muitos não têm conhecimento ou só se interessam quando algum conhecido sofre algum acidente, ou pelo fato do preconceito contra os homossexuais ainda existir.[?]

Apenas 1,8% da população brasileira doa sangue, sendo necessário, de acordo com a ONU, entre 3% a 5%. Isso remete à falta de informação que a população tem, mesmo numa era tão globalizada, uma parte dela não tem estruturas para os meios de comunicação, impossibilitando a chegada de uma informação coerente e coesa. Por mais que a mídia invista em campanhas nas redes sociais e[C], só a menor parte do público alvo for atingido, de nada adianta a divulgação desse projeto.[?]

O preconceito a homossexualidade[?] gerou quedas na doação de sangue, porque quando houve a descoberta do HIV[A], criaram-se teorias que os homossexuais transmitiam o vírus, sendo chamada de "câncer gay". Mesmo após ser afirmado que a Aids não estava relacionado a homossexualidade, a ANVISA[E], explicita seu preconceito[?] e[C] apenas gays que não mantiveram relacionais sexuais durante um ano poderia fazer a doação sanguínea, tratando essa comunidade de forma "anormal", uma vez confirmado que o gênero sexual não está relacionado ao portador da doença.

Fica evidente que[] a mídia precisa explorar novas formas de divulgação[] para chegar à toda população, o governo deve? investir[?] em melhorias nas comunidades mais carentes; incentivar nas escolas o debate sobre o assunto e[C] o Ministério da Saúde[] juntamente com a ANVISA[] reverem essa militância com os homossexuais, pois só assim poderemos sentir orgulho do nosso legado.[?]

Nota:
I
120
O participante demonstra domínio adequado da norma-padrão, apresentando alguns desvios gramaticais graves e de convenções da escrita, ou muitos desvios leves. Assim, há certos desvios que ocorrem em várias partes do texto, revelando que um ou mais aspectos da norma-padrão ainda não foram incorporados aos seus hábitos linguísticos. Desvios mais graves, como a ausência de concordância verbal ou nominal, não impedem que a redação receba essa pontuação, desde que não configurem falta de domínio absoluto do padrão da linguagem escrita formal. Assim, o participante que realizar alguns desvios graves ou gravíssimos, ou muitos desvios leves, pode receber essa pontuação.
II
160
O participante desenvolve bem o tema, mas não explora os seus aspectos principais. Desenvolve uma argumentação consistente e apresenta bom domínio do tipo textual dissertativo-argumentativo, mas não apresenta argumentos bem desenvolvidos. Os argumentos defendidos não ficam restritos à reprodução das ideias contidas nos textos motivadores nem a questões do senso comum.
III
120
O participante apresenta informações, fatos, opiniões e argumentos pertinentes ao tema proposto, porém os organiza e relaciona de forma pouco consistente em defesa de seu ponto de vista. As informações são aleatórias e desconectadas entre si, embora relacionadas ao tema. O texto revela pouca articulação entre os argumentos, que não são convincentes para defender a opinião do autor.
IV
120
O participante articula as partes do texto, porém com algumas inadequações na utilização dos recursos coesivos. A redação enquadrada neste nível poderá conter eventuais desvios, como: frases fragmentadas que comprometam a estrutura lógico gramatical; sequência justaposta de ideias sem encaixamentos sintáticos; ausência de paragrafação; frase com apenas oração subordinada, sem oração principal. Poderá conter ainda desvios de menor gravidade: emprego equivocado do conector; emprego do pronome relativo sem a preposição, quando obrigatória; repetição desnecessária de palavras ou substituição inadequada sem se valer dos recursos de substituição oferecidos pela língua. Esta pontuação deve ser atribuída ao participante que demonstrar domínio regular dos recursos coesivos.
V
120
O participante elabora proposta de intervenção relacionada ao tema, mas pouco articulada à discussão desenvolvida no texto. Desenvolvimento mediano dos meios para realizá-la.
Aviso:
*Lembre-se de que a quebra de linha entre os parágrafos, presente nesse fórum, é somente para facilitar a leitura do texto. No ENEM, a paragrafação deverá ser feita sem quebra de linha, apenas com o espaçamento entre a margem e o início de cada parágrafo.*
Legenda de Erros:
[!]
Evite
[A]
Argumentação
[D]
Descritivo
[F]
Fuga de Tema ou Tese
[N]
Norma Culta
[P]
Prolixo
[?]
Confuso
[C]
Conectivo
[E]
Explique/Explicite
[G]
Gênero Textual
[R]
Repetido


[!] = expressão não indicada por conter possível: clichê; cacofonia; preciosismo; pleonasmo; redundância; queísmo; período longo; preconceito; esteriótipo.
[?] = o trecho contém problemas na interpretação (releia) (COERÊNCIA): ambiguidade; difícil entendimento; ausência de sentido lógico.
[A] = o trecho contém falhas técnicas na argumentação: explicação carece de comprovação (informação fatídica); argumentação abundante; argumentação descritiva ou sem ideia conclusiva (o que você está defendendo?!); sequência argumentação/explicação possui lógica falaciosa (Ex.: de acordo com a Biologia, toda banana é amarela, logo todo limão também é);
[C] = o trecho contém problemas nos elementos de sequenciação (COESÃO): ausência de conectivo ligando períodos; uso incorreto do elemento coesivo (conjunção) em relação à sequência justaposta de períodos e seu significado.
[D] = o trecho tende para a descrição sobre a proposta, apresentando caráter mais descritivo que argumentativo (Ex.: tema: violência contra a mulher: o candidato descreve o transcorrer do feminicídio ao longo da história enumerando informações detalhadas, mas não desenvolve o problema de fato).
*lembre-se de que uma informação fatídica, quando sozinha, não sustenta totalmente o argumento, é preciso explicitar como ela se desenvolve em problema a partir do seu ponto de vista*.
[E] = sentença com sentido desconhecido ou incompleto: informação muito específica; sigla sem o nome por extenso; informação incompleta (de que, quem, do que, o que, pra que/quem, qual/quais, pelo que, como???).
*o corretor não vai parar sua correção para procurar o significado do que você quis dizer*
[F] = o trecho contém falha na abordagem do tema sugerido: desenvolve de maneira superficial o tema sugerido ou aprofunda tópicos relacionados ao assunto do tema, mas não na proposta dele propriamente dita (foque no tema da proposta, e não no assunto); desenvolve uma ideia ao longo do texto que não explicitada na tese da introdução; soluciona um problema na proposta de intervenção que não foi trabalhado ao longo do desenvolvimento no texto.
[G] = o trecho apresenta falha no gênero dissertativo-argumentativo: tese rasa ou não explícita; paragrafação em sequência diferente do padrão (intro. > desenv. > concl.); verbo em 1ª ou 2ª pessoa; proposta de intervenção conjugada em tempo verbal diferente do imperativo afirmativo.
[N] = o trecho contém palavra ou expressão com traços de informalidade: erros ortográficos; gírias; linguagem popular.
[P] = o trecho contém informação desnecessária: prolongamento irrelevante de seu conteúdo; argumentos abundantes; informações altamente detalhadas; informações postas em demasia.
[R] = o trecho contém termos repetidos ao longo do texto: palavras (COESÃO); ideias (COERÊNCIA). Proposta de intervenção já existente na realidade atual.

_________________
avatar
Francis Bacon
Corretor
Corretor

Mensagens : 872
Pontos : 1010
Data de inscrição : 13/02/2016

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum