TEMA:A crescente crise da mobilidade urbana brasileira

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

TEMA:A crescente crise da mobilidade urbana brasileira

Mensagem por Leticia de araujo sousa em Sab Set 17, 2016 3:34 pm

É possível afirmar que a mobilidade urbana no Brasil caminha para um caos crescente. Tendo em vista suas motivações, o aumento da utilização de automóveis particulares pode ser apontado como o principal motivo para a crise que se enfrenta. Questões como a infraestrutura e condições do transporte público atual e até mesmo a cultura nacional frente à questão do trânsito devem ser salientados neste contexto.

Ao implantar a conhecida medida de desenvolver o país “50 anos em 5”, certamente o presidente Juscelino Kubitschek não poderia ter imaginado os efeitos de sua política rodoviarista para o futuro. Desde os tempos da implementação desta meta, criou- se na mente brasileira o ideal de que ter um carro tornaria um indivíduo mais elitizado e culto. Atualmente, com o desenvolvimento deste raciocínio, aliado ao aumento do poder aquisitivo das classes sociais mais baixas, foi ampliado o número de aquisição destes veículos, incentivando também pela redução de taxas de importação e aumento da produção de automóveis, com mais possibilidades de pagamento.

Pode-se também atribuir como causa do desconforto móbil-urbano o problema das bases de organização e conforto de transportes públicos. É difícil rodear metrópoles como São Paulo sem utilizar meios locomotores como ônibus,trem e metrôs extremamente lotados, assim, ainda permanece a ideia popular que carros ou motocicletas são melhores; o que contribui para índices como os do Observatório das Metrópoles, que indica que de 2002 a 2012 a população  brasileira cresceu 12,2%, enquanto o número de veículos 138,6%, uma desproporcionalidade absurda.

Desta forma, pode-se considerar que o impasse da locomobilidade em cidades pode ser resolvido não somente com a redução do número de veículos individuais, que ocorre com a redução da compra de carros, proveniente da diminuição de incentivos à exportação, como também pela regularização de transportes públicos quanto a sua quantidade e qualidade, ambas as propostas que podem ser executadas por diferentes organizações governamentais, algumas que regulamentam o comércio exterior e outras que fiscalizam os meios de condução coletiva. Além disso, cabe às instituições de ensino o desenvolvimento de programas educacionais que valorizem a utilização de meios de transporte públicos, e também de bicicletas, que apesar de individuais, ocupam pouco espaço e favorecem a harmonia em vias da cidade.

Leticia de araujo sousa
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 19
Pontos : 51
Data de inscrição : 03/07/2016

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: TEMA:A crescente crise da mobilidade urbana brasileira

Mensagem por Francis Bacon em Sex Set 23, 2016 11:00 am

É possível afirmar que a mobilidade urbana no Brasil caminha para um caos crescente. Tendo em vista suas motivações, o aumento da utilização de automóveis particulares pode ser apontado como o principal motivo para a crise que se enfrenta. Questões como a infraestrutura e condições do transporte público atual e até mesmo a cultura nacional frente a questão do trânsito devem ser salientados neste contexto.

Ao implantar a conhecida medida de desenvolver o país “50 anos em 5”, certamente o presidente Juscelino Kubitschek não poderia ter imaginado os efeitos de sua política rodoviarista para o futuro. Desde os tempos da implementação desta meta, criou-se na mente brasileira o ideal de que ter um carro tornaria um indivíduo mais elitizado e culto. Atualmente, com o desenvolvimento deste raciocínio[] aliado ao aumento do poder aquisitivo das classes sociais mais baixas, foi ampliado o número de aquisição destes veículos, incentivado[,] também[,] pela redução de taxas de importação e aumento da produção de automóveis, com mais possibilidades de pagamento.[PD][FT][G]

[você apenas descreveu e citou dados sobre a realidade do trânsito. Dissertar e argumentar não é só opinar sobre um tema, é explicitar e comprovar essa opinião (tentando persuadir o leitor)]

Pode-se[,] também[,] atribuir como causa do desconforto móbil[]urbano o problema das bases de organização e conforto de transportes públicos. É difícil rodear metrópoles como São Paulo sem utilizar meios locomotores como ônibus,[]trem e metrôs extremamente lotados, assim, ainda permanece a ideia popular de que carros ou motocicletas são melhores; o que contribui para índices[,] como os do[N] Observatório das Metrópoles, que indicam que[queísmo][,] de 2002 a 2012[,] a população brasileira cresceu 12,2%, enquanto o número de veículos 138,6%[.] Uma desproporcionalidade absurda.

Desta forma, pode-se considerar que o impasse da locomobilidade em cidades pode ser resolvido não somente com a redução do número de veículos individuais, que ocorre com a redução da compra de carros, proveniente da diminuição de incentivos à exportação[a solução é encarecer o carro?], como também pela regularização de transportes públicos quanto a sua quantidade e qualidade, ambas as propostas que podem ser executadas por diferentes organizações governamentais[quais?], algumas que regulamentam o comércio exterior[quais?] e outras que fiscalizam os meios de condução coletiva[quais?]. Além disso, cabe às instituições de ensino[,] o desenvolvimento de programas educacionais que valorizem a utilização de meios de transportes públicas[o que isso vai ajudar se o problema é a superlotação?], e também de bicicletas, que apesar de individuais, ocupam pouco espaço e favorecem a harmonia em vias da cidade.[e as ciclovias?]

Nota:
 
I
120
O participante demonstra domínio adequado da norma-padrão, apresentando alguns desvios gramaticais graves e de convenções da escrita, ou muitos desvios leves. Assim, há certos desvios que ocorrem em várias partes do texto, revelando que um ou mais aspectos da norma-padrão ainda não foram incorporados aos seus hábitos linguísticos. Desvios mais graves, como a ausência de concordância verbal ou nominal, não impedem que a redação receba essa pontuação, desde que não configurem falta de domínio absoluto do padrão da linguagem escrita formal. Assim, o participante que realizar alguns desvios graves ou gravíssimos, ou muitos desvios leves, pode receber essa pontuação.
II
120
O participante desenvolve de forma adequada o tema, mas apresenta uma abordagem superficial, discutindo outras questões relacionadas. Desenvolve uma argumentação previsível e apresenta domínio adequado do tipo textual dissertativo-argumentativo, mas não apresenta explicitamente uma tese, detendo-se mais no caráter dissertativo do que no argumentativo. Reproduz ideias do senso comum no desenvolvimento do tema.
III
120
O participante apresenta informações, fatos, opiniões e argumentos pertinentes ao tema proposto, porém os organiza e relaciona de forma pouco consistente em defesa de seu ponto de vista. As informações são aleatórias e desconectadas entre si, embora relacionadas ao tema. O texto revela pouca articulação entre os argumentos, que não são convincentes para defender a opinião do autor.
IV
80
O participante articula as partes do texto, porém com muitas inadequações na utilização dos recursos coesivos. A redação enquadrada neste nível poderá conter desvios, como: frases fragmentadas que comprometam a estrutura lógico gramatical; sequência justaposta de ideias sem encaixamentos sintáticos; ausência de paragrafação; frase com apenas oração subordinada, sem oração principal. Poderá conter também desvios de menor gravidade: emprego equivocado do conector; emprego do pronome relativo sem a preposição, quando obrigatória; repetição desnecessária de palavras ou substituição inadequada sem se valer dos recursos de substituição oferecidos pela língua. Esta pontuação deve ser atribuída ao participante que demonstrar pouco domínio dos recursos coesivos.
V
120
O participante elabora proposta de intervenção relacionada ao tema, mas pouco articulada à discussão desenvolvida no texto. Desenvolvimento mediano dos meios para realizá-la.
Aviso:
*Lembre-se de que a quebra de linha entre os parágrafos, presente nesse fórum, é somente para facilitar a leitura do texto. No ENEM, a paragrafação deverá ser feita sem quebra de linha, apenas com o espaçamento no início de cada parágrafo.*
Legenda de Erros:
         
[!]
Verificar
[C]
Conectivo
[F]
Fuga Tema ou Tese
[N]
Norma Culta
[RI]
Repetição Ideia
[T]
Trecho Prolixo
[?]
Confuso
[E]
Explique/Explicite
[G]
Gênero Textual
[PD]
Parágrafo Descritivo
[RP]
Repetição Palavra

[F] = o trecho aborda outro assunto fora do tema sugerido ou que não esteja explicitado na tese.
[G] = verbos em 1ª ou 2ª pessoa | parágrafos em sequência diferente do padrão (intro. > desenv. > concl.) | texto com falhas no gênero dissertativo-argumentativo
[N] = expressão ou palavra contém traços de informalidade

_________________
avatar
Francis Bacon
Corretor
Corretor

Mensagens : 810
Pontos : 946
Data de inscrição : 13/02/2016

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: TEMA:A crescente crise da mobilidade urbana brasileira

Mensagem por Leticia de araujo sousa em Sex Out 07, 2016 8:51 am

Olá professor!
Agradeço muito teu projeto Redação Nota 1000 e a iniciativa de mantê-lo totalmente gratuito. Certamente com tuas correções extremamente detalhadas e bastante informativas, pude muito aprender e aplicar os conceitos ensinados. Obrigada.

Leticia de Araújo Sousa

Leticia de araujo sousa
Aprendiz
Aprendiz

Mensagens : 19
Pontos : 51
Data de inscrição : 03/07/2016

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum